Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/04/2019

“Queridos filhos, como MÃE que conhece os SEUS filhos, sei vocês desejam o MEU FILHO. EU sei que vocês desejam a VERDADE, a PAZ, aquilo que é puro e não é falso.

Por isto EU, como MÃE, através do AMOR DE DEUS, me dirijo a vocês e os convido, a fim de que, rezando com o coração puro e aberto, conheçam por vocês mesmos o MEU FILHO, o SEU AMOR, o SEU CORAÇÃO MISERICORDIOSO.

O MEU FILHO via a beleza em todas as coisas.

ELE procura o BEM, até mesmo naquilo que é pequeno e escondido, em todas as almas, para perdoar o mal.

Por isto, filhos MEUS, apóstolos do MEU AMOR, os convido a adorá-LO, a agradecê-LO continuamente e a serem dignos para ELE. Porque ELE disse para vocês PALAVRAS DIVINAS, as PALAVRAS DE DEUS, as PALAVRAS que são para todos e para sempre.

Por isto, filhos MEUS, vivam a serenidade, a alegria e o amor recíproco.

Isto é o que é necessário para vocês no mundo de hoje: assim serão apóstolos do MEU AMOR, assim vocês testemunharão o MEU FILHO de maneira justa.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Paquistão: Lei respalda onda de ataques contra cristãos

A agência vaticana Fides informou que no Paquistão quatro cristãos foram acusados de blasfêmia em apenas um mês e já preocupa a tendência de inventar injúrias contra o Alcorão para atacar esta minoria religiosa.
Como se sabe, a aplicação da Lei da Blasfêmia pode supor o julgamento imediato e uma condenação à morte ou prisão para quem ofenda o credo muçulmano.
Conforme informaram sacerdotes e ativistas da zona, a incidência é quatro vezes mais alta que a média mensal registrada nos últimos dois anos e documentado pelo relatório da Comissão "Justiça e Paz" dos Bispos Católicos do país.
A Lei da Blasfêmia agrupa várias normas contidas no Código Penal do Paquistão para sancionar qualquer ofensa de palavra ou obra contra Alá, Maomé ou contra o Alcorão, que seja denunciada por um muçulmano sem necessidade de testemunhas ou provas adicionais.
Além disso, as acusações seriam claramente falsas e isto confirmaria que a blasfêmia é utilizada como um "instrumento de vingança" em controvérsias pessoais, inclusive para atingir as minorias religiosas.
Um dos casos é o registrado no final de outubro em Wazirabad, Punjab, onde Tariq e Arif Masih, donos de uma loja de fogos de artifício, foram denunciados por blasfêmia por um grupo de muçulmanos. Os acusadores queriam vingar-se porque um conjunto de fogos vendidos por eles não havia se acendido.
Uns dias antes, em Faisabad, dois estudantes muçulmanos denunciaram uma mulher cristã de 50 anos por ter queimado páginas do Alcorão, quando na realidade tratava-se de um livro de texto em árabe.
Em 8 de outubro, o pastor cristão protestante Adnan e dois fiéis, Arfan e Mushtaq Masih, residentes de Lahore, foram denunciados formalmente por "blasfêmia". Segundo a acusação, os três teriam escrito e pronunciado comentários negativos sobre o Islã e o livro "Porque nos convertemos em muçulmanos", escrito por um líder extremista muçulmano.
Outro caso se registrou contra o cristão Asif Parvaiz em Lahore no último dia 25 de setembro. Segundo o relatório policial, Asif teria enviado uma mensagem de texto a um conhecido insultando o Islã, o Alcorão, os muçulmanos e o Profeta Maomé.
Poucos dias antes, dia 23 de setembro, na metrópole de Karachi, incitados por uma suposta "blasfêmia", milhares de muçulmanos saquearam o bairro cristão "Michael Town". As casas de mais de 300 famílias cristãs foram devastadas e queimadas.
No Paquistão, os cristãos e católicos constituem a classe social mais baixa em um país onde 98 por cento de população é islâmica.

ROMA, 29 Nov. 13 - ACI/EWTN Noticias  
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...