Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/08/2018

“Queridos filhos,

Com amor materno os convido a abrirem os seus corações à paz, a abrirem os seus corações ao MEU FILHO, a cantar em seus corações o amor ao MEU FILHO, porque somente através deste amor chega a paz da alma.

Filhos MEUS, EU sei que vocês tem a bondade, sei que vocês tem o amor, o amor misericordioso. Mas, muitos dos MEUS filhos ainda tem os corações fechados, pensam que podem agir sem colocar os seus pensamentos ao PAI CELESTIAL que ilumina, diante do MEU FILHO que está sempre e novamente com vocês na EUCARISTIA e que deseja ouvi-los.

Filhos Meus, porque não falam para eles ? A vida de cada um de vocês é importante e preciosa porque é um dom do PAI CELESTIAL para a ETERNIDADE, por isso nunca se esqueçam de agradecê-LO e falar com ELE.

Eu sei, filhos MEUS, que para vocês é desconhecido aquilo que virá depois, porém quando chegar o “depois” de vocês, terão todas as respostas. O MEU amor materno deseja que vocês estejam prontos.

Filhos MEUS, com a vida de vocês coloquem sentimentos bons nos corações das pessoas que vocês encontrarem, sentimentos de paz, de bondade, de amor e de perdão. Através da oração escutem o que lhes diz o MEU FILHO e assim o façam.

Novamente os convido a rezarem pelos seus sacerdotes, por aqueles a quem o MEU FILHO chamou; lembrem-se que eles tem necessidade de orações e de amor.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Espaços de dignidade e de liberdade

Os idosos precisam de «espaços de dignidade e liberdade» não de «fechamentos e silêncios» que, muitas vezes, se transformam «numa tortura». Eis o apelo que o Pontífice fez durante a audiência de sábado, 23 de Novembro, dirigindo-se aos participantes na conferência internacional promovida pelo Pontifício Conselho para a Pastoral no Campo da Saúde.
Durante o encontro, realizado na Sala Paulo VI, o Papa reafirmou que as pessoas idosas, «apesar dos “achaques”, às vezes até graves, são sempre importantes, aliás indispensáveis», porque «são portadores da memória e da sabedoria da vida». Portanto, a sua existência «mantém sempre o seu valor aos olhos de Deus, para além de qualquer ponto de vista discriminatório».
Enquanto a família «permanece o lugar privilegiado de acolhimento e de proximidade», é necessário que as estruturas assistenciais ofereçam «as ajudas e os serviços adequados» aos idosos doentes, garantindo o «respeito da dignidade, da identidade, das necessidades das pessoas assistidas, mas também daqueles que lhes prestam assistência, como os familiares e os agentes no campo da saúde» Só nesta perspectiva o percurso de cura poderá transformar-se numa «experiência muito rica seja a nível profissional que humano»; caso contrário – advertiu o Santo Padre – se torna  «muito mais semelhante a uma “tutela física” simples e fria». O Papa recordou  a «importância do aspecto religioso e espiritual» da actividade existencial: uma dimensão que, acrescentou ainda, «permanece vital mesmo quando as capacidades cognitivas diminuam ou se dissipam».

Antes de encontrar os participantes na conferência, o Pontífice saudou, na Sala Clementina, os membros dos Comités olímpicos europeus, encorajando-os a promover através do desporto «os valores humanos e religiosos que estão na base de uma sociedade mais justa e solidária». Quando a actividade desportiva «é considerada unicamente segundo os parámetros económicos ou de conquista da vitória a todo custo – tinha admoestado – corre-se o risco de reduzir o atleta a uma mera mercadoria do qual tirar proveito», num mecanismo  perverso que faz perder «o verdadeiro sentido da sua actividade».

Cidade do Vaticano, 23/11/2013 - L’Osservatore Romano
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...