Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Bispos refletem em Recife mudanças socioculturais a partir da comunicação

O segundo dia do Curso de comunicação para bispos da Igreja no Brasil foi uma imersão nas teorias da comunicação e das mudanças socioculturais provocadas pelas tecnologias digitais.
Os painéis temáticos da manhã de terça-feira, 5, foram apresentados pelo professor doutor padre Pedro Gilberto Gomes e pelo professor e doutorando em Ciências da Comunicação, Moisés Sbardelotto.
Durante o painel "Teorias da Comunicação: possibilidades e limites", padre Pedro Gilberto lembrou a inquietação e o interesse da Igreja pelo assunto: "A Igreja foi quem mais escreveu e se preocupou com a comunicação através da elaboração de documentos importantes e avançados." Gomes destacou ainda a realização em 1989 da Campanha da Fraternidade (CF) que teve como lema "Comunicação para a verdade e a paz". Além da Carta Apostólica por ocasião da CF e da existência de cartas pastorais dos bispos sobre a imprensa.
De acordo com o palestrante, os estudos das Teorias da Comunicação oscilam entre dois pólos: a realidade da comunicação humana e a análise dos meios de comunicação. "Nós estamos vivendo hoje um momento tão importante quanto à invenção da escrita. Mudou tudo. Não há como voltar atrás e essa mudança está apenas começando. Isto significa um salto qualitativo", afirmou Padre Pedro.


O segundo painel teve como tema "Comunicação e mudanças socioculturais provocadas pelas tecnologias digitais". Sbardelotto fez uma apresentação a partir dos estudos do educador e filósofo pernambucano Paulo Freire. O professor ressaltou que a mera transmissão de informação não pode ser considerada comunicação. "Tudo isso é extensão, estender algo a alguém. E isso acaba coisificando tanto o algo quanto o alguém. A coisificação gera alienação. Eu me torno mediador de algo que está coisificado. Pego algo que está na minha cabeça e imponho ao outro. Eu alieno o outro." E acrescentou: "Dessa forma, nós não estamos fazendo evangelização, mas colocando aquilo o que cremos. A comunicação é a ação de tornar comum."
Moisés Sbardelotto explicou que a comunicação é processo de construção recíproca de sentidos. "A comunicação é diálogo e discurso. Eles não podem viver separados, mas têm que estar em tensão criativa. A comunicação é uma dinâmica 'alterizante'. Isso também afeta nosso processo pastoral. É preciso reconhecer o outro também como agente, pois a comunicação não se faz sobre o e nem para o outro, mas com o outro", concluiu.
Para o período da tarde, foi reservada a parte prática do curso. Foram três grupos: Internet e mídias digitais, Media Training e Rádio. Os laboratórios foram ministrados pelo assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação padre Clóvis Andrade, professor e doutor Elson Faxina e pelo jornalista e membro da Comunidade Canção Nova, Ronaldo da Silva.

Recife,06/11/2013 - JCEnews - Marcos Beltramin - RCR/PCCS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...