Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?

Evangelho do dia 20/10/2013 (Lc 18,1-8)

Naquele tempo, Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo:
”Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário!’
Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: ‘Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum. Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha a agredir-me!’”
E o Senhor acrescentou: “Escutai o que diz este juiz injusto. E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar?
Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?”

— Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Comentário do Evangelho

Com o Evangelho de hoje Jesus nos trás uma nova esperança. A esperança que é fruto da perseverança.
Temos como plano de fundo um juiz que não respeita e nem teme a Deus e a pessoa alguma, sua única preocupação é mostrar o quanto não está preocupado com os outros, o quanto não se importa com a justiça e a verdade, suas ações são sempre em vista de seu próprio bem, em vista de manter sua “fama”.
Em sua infinita sabedoria Jesus nos trás em contrapartida uma pobre viúva, que não tem nada e ninguém, que naquela época era uma pessoa excluída e sem valor. Nos mostra como os pobres, os humildes tem valor para Deus. Essa viúva tem também uma grande virtude que devemos prestar atenção, pois muito nos diz; ela embora pobre e simples, tinha muito certo e firmado dentro de si o que era verdade, o que era justo.
A freqüência com a qual ela ia à presença deste juiz era para pedir justiça, pedir para que ele olhasse com atenção e dissesse a verdade a seu respeito, ela sabia muito bem o que pedia, não era uma pessoa que se deixava levar pelas outras; porque podemos imaginar quantas pessoas já haviam aconselhado ela a se calar, a deixar passar já que ela era apenas uma viúva e ele um juiz poderoso e destemido…
Mas não. Ela quer a verdade, ela quer a justiça e vai atrás do que é seu de direito.
É isso que Jesus vem nos ensinar com essa parábola hoje, o Evangelho começa dizendo: “Jesus propôs esta parábola para mostrar que é necessário rezar sempre sem jamais deixar de fazê-lo”, quando sabemos aquilo que precisamos para reconstruir ou continuar nossa vida, sabemos pedir para a pessoa certa e com a insistência devida, é o que fez a viúva. É o que devemos fazer.
Se as coisas demoram tanto a se realizar em nossa vida, seja talvez porque estamos rezando de maneira errada, para a pessoa errada, ou ainda não estamos de fato convencidos de que é necessária tal coisa para nosso crescimento e amadurecimento. É como se rezássemos apenas por um desencargo de consciência.
Deus só irá conceder o que pedimos quando perceber em nós uma convicção de fé. Não pedimos apenas porque queremos, pedimos porque precisamos de tal coisa para chegar onde é preciso, para restabelecer nossa vida… Precisamos ser mais verdadeiros conosco mesmos e também diante de Deus. Nossa oração precisa ser real, precisa ser verdadeira.
Deus com certeza fará justiça a Seus escolhidos, que somos nós, Ele com certeza irá nos socorrer, Ele sempre está ansioso para nos conceder o que pedimos… Mas será que quando Ele nos conceder o que tanto pedimos e clamamos irá encontrar ainda fé sobre a terra de nosso coração, encontrará fé em nossa alma?
Que as palavras de hoje nos levem a um verdadeiro encontro conosco mesmos, a um verdadeiro questionamento interior. Será que o que estou pedindo é necessário? Será que o que peço aumentará minha fé? Quando Deus me conceder o que peço terei a mesma confiança Nele?
Saibamos esperar o tempo de Deus para todas as ocasiões de nossa vida, mas não deixemos de rezar jamais, pois é a partir de um coração confiante e perseverante que Deus pode realizar os mais belos milagres. Nossa oração deve ser constante e perseverante, pois “vos é necessária a perseverança para fazerdes a vontade de Deus e alcançardes os bens prometidos” Hb 10,36.

Domingo, 20/10/2013 – Elaine Mariano Pacheco – Oblata Corpus Christi

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...