Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/02/2018

Queridos filhos !

Vocês a quem o MEU FILHO ama, vocês a quem EU amo imensamente com o MEU AMOR MATERNO, não permitam que o egoísmo e o amar muito a si mesmo reinem no mundo. Não permitam que o amor e a bondade fiquem escondidos. Vocês que são amados, vocês que conheceram o AMOR do MEU FILHO, lembrem-se que ser amado significa amar. Filhos MEUS, tenham fé: quando vocês tem fé, vocês são felizes e difundem a paz. As suas almas exultam de alegria. Nestas almas está o MEU FILHO: quando se doam pela fé, quando se doam pelo amor, quando fazem o bem ao próximo, o MEU FILHO sorri em suas almas. Apóstolos do MEU AMOR, ME dirijo a vocês como MÃE, os reúno em torno de MIM porque desejo conduzí-los no caminho do AMOR e da FÉ, no caminho que leva até a LUZ DO MUNDO. EU estou aqui pelo AMOR e pela FÈ; porque desejo abençoá-los, porque EU desejo, com a MINHA BENÇÂO MATERNA, dar a vocês força e esperança no seu caminho. Porque a estrada que conduz ao MEU FILHO não é fácil, é cheia de renúncias, de dar-se, do sacrifício, do perdão e muito, muito amor mas este caminho conduz à paz e à alegria. Filhos MEUS, não acreditem nas vozes falsas que falam de coisas falsas e de luzes falsas: vocês, filhos MEUS, voltem para a SAGRADA ESCRITURA. Com imenso amor EU os vejo e, PELA GRAÇA DE DEUS, EU ME MANIFESTO A VOCÊS. Filhos Meus, caminham COMIGO. Que as almas de vocês exultem de alegria.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Maria Radna – fortaleza espiritual

A primeira capela data de 1520. Uma viúva piedosa mandou construi-la. Os franciscanos e os fiéis a usavam para a Missa, inclusive durante a dominação dos otomanos (Império turco). Quando os turcos se retiraram, em 1695, a capela foi incendiada, mas a imagem milagrosa ficou admiravelmente preservada. As pessoas continuaram a peregrinar para Maria Radna. A primeira grande romaria ocorreu em 1709, pelos sobreviventes de uma peste. Desde 1750 Maria Radna é reconhecida oficialmente pela Igreja como santuário.

A toda hora os peregrinos de toda a Romênia, da Hungria, dos Bálcãs acorrem ao santuário de Nossa Senhora, na diocese de Timisoara. Maria Radna tornou-se um santuário nacional, semelhante a Czestochowa na Polônia, Altötting na Alemanha, Einsiedeln na Suíça, Lourdes na França, Fátima em Portugal ou Aparecida no Brasil. Os comunistas impediram as romarias, mas não conseguiram impedir a veneração oculta. Transformaram o convento franciscano anexo ao santuário em asilo estatal para idosos. A virada de 1990 (após a queda do muro de Berlim) trouxe bens e males. Muitos católicos emigraram; o respeitável número de 151 paróquias da diocese encolheu para 73.
Sim, há alguns anos os peregrinos vêm novamente de longe, os suevos do Danúbio vêm até da Alemanha. Mas: como atendê-los? Faltam estruturas de acolhida, de formação, de retiros e exercícios espirituais para padres. Nossa Senhora é o centro, mas seu manto está “esburacado”. A adesão à União Europeia abriu a possibilidade de criar essas estruturas, de “tapar os buracos”. É verdade que a UE subvenciona apenas a reforma de objetivos turístico-culturais, mas também isso se encontra abundantemente em Maria Radna. O Padre Werenfried diria: isso é uma fortaleza para Deus!
Para o povo da região a “peregrinação para Maria Radna é o ponto alto do ano”, como diz o bispo Martin Roos. Cada comunidade tem o seu próprio dia de romaria. “Aí eles experimentam a ‘comunhão dos santos’ e voltam reforçados”. Sobretudo para os jovens é uma experiência marcante. “Com Maria a gente consegue resistir a bons trechos com sede.” Depois de todas as vicissitudes, hoje as pessoas têm “mais confiança na Igreja do que na política”. Coisa comprovada até mesmo pelas pesquisas.
Diariamente chegam mais de 200 peregrinos. E esse número ainda pode aumentar muito. A União Europeia vê em Maria Radna um projeto de desenvolvimento regional e está até disposta a tirar do bolso apropriado os milhões necessários para a reforma da igreja e do convento. Mas somente se a diocese pagar a contrapartida obrigatória de dois por cento e cuidar dos aspectos puramente pastorais. No entanto, só para isso já se trata de mais de um milhão e meio de reais! Mas a paróquia e a diocese são pobres demais para arcar com tudo isso sozinhas. Por isso o bispo está mendigando junto a seus irmãos na Europa Ocidental, nas fundações e também conosco.

Domingo, 27/10/2013 - AIS - Ajuda à Igreja que Sofre
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...