Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/10/2017

Queridos filhos,

Falo a vocês como MÃE, com palavras simples mas cheias de amor e de preocupação, que ME foram confiados por MEU FILHO. É ELE que, do ETERNO PRESENTE, fala a vocês com palavras de vida e semeia o amor nos corações abertos, Por esta razão os peço, apóstolos do MEU AMOR, tenham os corações abertos, sempre prontos à misericórdia e ao perdão.

Pelo MEU FILHO, perdoem sempre ao próximo porque assim vocês terão a paz. Filhos MEUS, preocupem-se com a alma de vocês porque é a única coisa que pertence a vocês realmente. Vocês se esqueceram da importância da família.

A família não deveria ser lugar de sofrimento e de dor mas local de compreensão e de ternura. As famílias que vivem segundo o MEU FILHO, vivem em amor recíproco.

Quando o MEU FILHO era ainda pequeno, ELE ME dizia que todos os homens são SEUS irmãos; por isso lembrem-se, apóstolos do MEU AMOR, que todos os homens que vocês encontrarem são família, irmãos pelo MEU FILHO.

Meus filhos, não gastem seu tempo pensando sobre o futuro, se preocupando. Que sua única preocupação seja viver bem cada momento de acordo com MEU FILHO. Lá está – paz para vocês!

Filhos MEUS, não esqueçam nunca de rezar pelos seus sacerdotes. Rezem para que possam aceitar todos os homens como seus próprios filhos e segundo o MEU FILHO, sejam pais espirituais. Obrigada.


OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

A comunhão fraterna nos leva à comunhão com Deus, afirma o Papa

Na Audiência Geral desta quarta-feira, 30, realizada na Praça de São Pedro, o Papa Francisco refletiu sobre a “comunhão dos Santos”, e assegurou que a experiência da comunhão fraterna nos leva à comunhão com Deus.
Ao refletir sobre “a comunhão entre as pessoas santas”, Francisco indicou que esta é “uma verdade das mais consoladoras da nossa fé, porque nos recorda que não estamos sozinhos, mas que existe uma comunhão de vida entre todos os que pertencem a Cristo”.
“Uma comunhão que nasce da fé; de fato, o termo ‘Santos’ se refere àqueles que acreditam no Senhor Jesus, e são incorporados a Ele na Igreja através do Batismo. Por isso os primeiros cristãos também foram chamados ‘Santos’”.
O Santo Padre sublinhou que “a Igreja, em sua verdade mais profunda, é comunhão com Deus, familiaridade com Deus, comunhão de amor com Cristo e com o Padre no Espírito Santo, que se prolonga em uma comunhão fraterna”.
“Esta relação entre Jesus e o Pai é a ‘matriz’ da união entre nós cristãos: se estivermos intimamente incluídos nesta "matriz", neste forno ardente de amor que é a Trindade, então podemos verdadeiramente nos convertermos em um único coração e em uma só alma entre nós, porque o amor de Deus queima nossos egoísmos, nossos preconceitos, nossas divisões internas e externas”.
“O amor de Deus queima também nossos pecados”, indicou.
O Papa assinalou ainda que a experiência da comunhão fraterna nos leva à comunhão com Deus. “Estar unidos entre nós leva a estar unidos com Deus, a esta união com Deus que é nosso Pai”.
“Nossa fé precisa do apoio de outros, especialmente nos momentos difíceis! E se estivermos unidos, a fé se faz forte”.
“Como é bonito apoiar-se mutuamente na aventura maravilhosa da fé! Digo isto porque a tendência a fechar-se no privado também influi na esfera religiosa, tanto assim que muitas vezes é difícil procurar ajuda espiritual naqueles que compartilham nossa experiência cristã”.
O Santo Padre perguntou “quem de nós -todos, todos!- quem de nós não experimentou inseguranças, desorientações e inclusive dúvidas no caminho da fé? Todos, todos experimentamos isto: eu também. Todos. É parte do caminho da fé, é parte de nossa vida”.
“Nada disto não deve surpreender-nos, porque somos seres humanos, marcados pela fragilidade e pelas limitações. Todos nós somos frágeis, todos temos limitações: não se assustem. Todos as temos! Entretanto, nestes momentos difíceis temos que confiar na ajuda de Deus, através da oração filial, e ao mesmo tempo, é importante encontrar a coragem e a humildade para estar abertos a outros, para pedir ajuda”.
Francisco assinalou logo que “a comunhão dos Santos vai além da vida terrena, vai além da morte e dura para sempre”.
“Esta união entre nós vai além desta vida e contínua na outra. É uma união espiritual que nasce do Batismo, não se corta com a morte, mas, graças a que Cristo ressuscitou, está destinada a encontrar sua plenitude na vida eterna”.
O Papa indicou que existe “um vínculo profundo e indissolúvel entre os que ainda são peregrinos neste mundo, entre nós, e os que já cruzaram o limiar da morte para a eternidade. Todos os batizados na terra, as almas do Purgatório e todos os beatos que estão já no Paraíso formam uma única grande Família. Esta comunhão entre terra e céu se realiza sobre tudo na oração de intercessão”.
“Queridos amigos, temos esta beleza, a memória da fé: é nossa realidade, de todos, que nos faz irmãos, que nos acompanhamos no caminho da vida, e vamos nos encontrar de novo, lá em cima, no Céu. Vamos este por caminho com confiança, com alegria”.
O Santo Padre disse também que “um cristão deve ser alegre, com a alegria de ter tantos irmãos batizados que caminham conosco, e também contar com a ajuda de nossos irmãos e irmãs que realizam esta jornada ao Céu, e também com a ajuda de nossos irmãos e irmãs que estão no Céu e rezam a Jesus por nós”.
“Adiante por este caminho, e com alegria!”, concluiu.


Vaticano, 30 Out. 13 - ACI/EWTN Noticias
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...