Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Mais de 3.500 casas incendiadas e milhares de refugiados

Pe. Aurelio Gazzera, missionário na República Centro-Africana falou à “Ajuda à Igreja que Sofre” (AIS) da dramática situação na diocese de Bouar, ao norte do país. “Durante os últimos dias os acontecimentos se aceleraram e a agressividade dos rebeldes cresceu”, disse o carmelita italiano. Recentemente, mais de 3.500 casas foram incendiadas apenas no povoado de Bohong. Segundo Pe. Gazzera, foram vistas “cenas apocalípticas”, com numerosos mortos, cujos cadáveres ainda continuam nas ruas.


Desde agosto, chegaram a Bozoum — onde se encontra uma das cinco missões dos carmelitas — 6.500 refugiados de outros pontos do país marcados pelo conflito armado e atentados. Milhares e milhares de pessoas estão fugindo. Muitos deles estão escondidos na selva, por medo dos rebeldes, refere o sacerdote. “Estão completamente traumatizados e perderam tudo”, diz.
Em várias regiões vizinhas à cidade de Bossangoa ocorreram sangrentos conflitos durante os últimos dias, nos quais morreram pelo menos 60 pessoas. Mais de 30.000 pessoas — aproximadamente 80% da população local — fugiram. “A situação é confusa: por um lado se diz que os partidários do ex-presidente Bozize combateram contra o grupo rebelde Séléka; por outro lado, uma testemunha ocular — fugida a pé de Bossangoa a Bozoum — comentou que tudo começou quando o Séléka (cujo líder, Michel Djotodi, é o atual autoproclamado presidente do país) lutou contra os jovens dessa população”, expõe Gazzera. Trata-se de uma “mistura altamente perigosa de diferentes grupos armados e uma crescente provocação à violência por parte dos rebeldes do Séléka”, que em março deste ano tomou o poder no país.
O missionário, que desempenha seu apostolado na República Centro-Africana há vinte anos, está muito preocupado pelos crescentes conflitos entre muçulmanos e cristãos. “Até o momento a convivência é boa; mas a chegada de rebeldes muçulmanos do Sudão e do Chade, que só falam árabe, causou muita destruição”. Nos episódios dos últimos dias, como é de costume nos ataques do Séléka, “nem uma só casa muçulmana foi incendiada. Inclusive se produziram vários casos — continua dizendo o Pe. Gazzera — em que jovens muçulmanos mostraram aos rebeldes os edifícios e centros que deviam incendiar e saquear. É como se o golpe de estado tivesse trazido à superfície o pior do coração humano”, lamenta o carmelita.
“É difícil dizer como a situação ficará — diz o missionário — É possível que lutas armadas voltem a ocorrer. Mas neste caso, a reconstrução dos edifícios e, sobretudo, a reconstrução interior das pessoas duraria anos. A população está amargurada, mas suporta com grande dignidade. Apesar de tudo, não se vê ódio nem cólera contra aqueles que estão produzindo esses estragos. Contudo, a população está desgastada, porque nada funciona. O Estado está ausente. Há medo pelo futuro e não se vê luz no fim do túnel; parece que ninguém escuta tudo isto e que não se faz nada para chegar a uma solução. Mas ao mesmo tempo, a fé é grande. A frase que mais se escuta é ‘NZAPA A YEKE’ – ‘Deus está aqui’”.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...